Notícias Notícias

Abril Verde: com foco na redução de acidentes, coletores de lixo recebem visita técnica

Os coletores de lixo domiciliar são a segunda categoria que mais sofre acidentes de trabalho em Mato Grosso do Sul. No ano passado, foram registrados 439 casos, um aumento de 74% em relação a 2017, o que motivou uma visita técnica nas unidades de trabalho da Solurb, em Campo Grande, nesta segunda-feira (29). A atividade foi uma iniciativa do TRT/MS (Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região), MPT-MS (Ministério Público do Trabalho) e Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador).

A ação faz parte do Movimento Abril Verde, mês de prevenção aos acidentes de trabalho. Para o juiz do TRT/MS Márcio Alexandre da Silva, que é Gestor Regional do Programa Trabalho Seguro, metade dos acidentes envolvendo catadores poderia ser evitada pela população, já que a principal causa é a má separação do lixo doméstico. ''O problema não está na empresa, mas sim nos consumidores que não separam o lixo adequadamente. Há muitos registros de funcionários que acabam se cortando", afirma o magistrado.

Técnicos em segurança recomendam que a população embrulhe os resíduos perfurocortantes em papel grosso, como um jornal, ou coloque-os em uma caixa para evitar acidentes. Garrafas e frascos de vidro não devem ser misturados com os planos. São considerados materiais perfurocortantes os instrumentos contendo cantos, bordas, pontas ou protuberância rígidas e agudas, capazes de cortar ou perfurar, tais como: as lâminas de barbear, agulhas, resíduos de vidro (potes, pratos quebrados, garrafas), lâmpadas, latas de condimento serrilhadas, lascas de madeiras ou palitos.


Más condições das ruas
Além do acondicionamento do lixo doméstico, outra causa recorrente dos acidentes de trabalho envolvendo os coletores está nas condições das ruas da cidade. Devido aos buracos e desníveis, os profissionais acabam sofrendo lesões. O juiz do trabalho também alerta para a quantidade de peso transportada pelos catadores.  ''Eles carregam muito peso, sobem e descem dos caminhões, o que causa desgaste ósseo-muscular. Mas, isso também não é uma questão da empresa. Não tem outra forma de fazer essa coleta", pondera Márcio Alexandre.

Recomendações
A Solurb foi orientada a distribuir a jornada de trabalho dos coletores de forma que os mais experientes trabalhem à noite e os mais novos na empresa cumpram o expediente durante o dia, com o objetivo de reduzir a quantidade de acidentes. Outra recomendação foi a prática de ginástica laboral antes, durante e depois da coleta. ''Isso representa tempo e custo para a empresa, porém a prevenção é muito mais barata do que as consequências do acidente", garante o juiz Márcio Alexandre.

Durante a visita técnica, alguns funcionários foram flagrados trabalhando sem luvas e máscaras no aterro sanitário, no bairro Dom Antônio Barbosa. A empresa se comprometeu a resolver todos os problemas apontados durante a fiscalização.

Clique aqui para ver fotos da visita técnica.